Redes sociais representam um horizonte de oportunidades

Por Roberto Marcio

Ter seu nome ou do seu negócio nas redes sociais e, ao mesmo tempo, produzir conteúdos, significa muito nos tempos de hoje. 

Isto porque, o engajamento dos seguidores representa uma excelente oportunidade para gerar bons resultados, ao expôr seus produtos no mundo virtual em páginas acompanhadas por milhões de navegadores. 

Há até quem diga que chave do sucesso é uma boa estratégia de conteúdo para a quarentena. 

A crise provocada pelo coronavírus deu um baque na economia e isso é fato. Porém, o pensador Helgir Girodo tem uma frase que serve de estímulo às pessoas que precisam buscar alternativas para esses tempos difíceis: “quem supera uma crise e faz da oportunidade uma conquista, com excelência faz o seu trabalho”.

A excelência descrita pelo pensador pode estar até mesmo na palma da sua mão, num smartphone, tablet ou num computador simples. 

O número de pessoas conectadas aumentou desde que a pandemia chegou ao frio, uma consequência do isolamento social. E as redes sociais estão cada vez mais em evidência. E lá é o cenário ideal para colocar seus produtos para venda e obter os resultados.

Por outro lado, as redes sociais estão antenadas com o gosto dos internautas. Milhões de pessoas acessam diariamente para contar um pouco de suas vidas e também atrás de oportunidades. 

Afinal, quem não deseja estar lá? É justamente a ferramenta ideal para se fazer presente, sobretudo para quem deseja fazer negócios.

Duas das mais importantes redes sociais, ou melhor, as mais acessadas, apresentam novidades.

Elas oferecem recursos para adequar a sua estratégia. No mês passado, por exemplo, o Facebook criou o recurso Lojas, que permite a ampla oferta de produtos na rede social e no Instagram.

Agora, comerciantes poderão montar lojas virtuais semelhantes às de grandes sites de e-commerce em suas páginas no Facebook ou no Instagram, permitindo que consumidores possam acessar catálogos de produtos, salvar itens e realizar pedidos no site da empresa.

Convém lembrar que existem soluções para se implementar esse trabalho, como o uso de chats bots com inteligência artificial, atendimento remoto e help desk.

No entanto, não se trata apenas de uma montagem de uma loja virtual e pronto. A questão vai um pouco além disso. É imperativo a construção de uma estratégia para alcançar o consumidor e hoje existem ferramentas que analisam cada dado extraído do mundo virtual para se chegar ao resultado desejado. 

Como um negócio pode garantir o sucesso de vendas, vai depender muito do uso de estratégias de comunicação. 

Se o empresário possui uma loja virtual de roupas masculinas e femininas, por exemplo, terá a sua disposição um portfólio de opções que vão desde a forma de como se comunica até o marketing, passando pela inteligência competitiva os ajustes para se ter sucesso. 

O uso da inteligência competitiva, que tem como meta a produção de informação que ajuda na tomada de decisão. 

Voltando ao exemplo da loja de roupas, através de pesquisas, a ferramenta pode servir de um norte para que o negócio consiga atingir seus clientes com o que há de mais moderno na tecnologia da comunicação. 

A “guerra” travada por elas, quem pode sair ganhando é você. Para se ter uma ideia, um novo estudo do Socialbakers diz que o Instagram ampliou sua liderança sobre o Facebook durante a pandemia, com uma audiência global 28% maior, em comparação com apenas uma ligeira vantagem no final do ano passado.

Essa “guerra” entre as gigantes da mídia corporativa pode representar um ganho adicional na hora em que se implementar uma estratégia de vender aquilo que produz. 

As principais marcas publicaram mais postagens no Facebook, mas o engajamento nessas postagens não atingiram os números alcançados no Instagram. Conclusões do novo relatório Social Media Trends Report Q1 2020 da Socialbakers foram feitas com base nos 50 maiores perfis de marcas do mundo e no Brasil, entre janeiro e março de 2020.

Para reforçar a ideia das vendas pelo e-commerce, uma pesquisa realizada pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas, concluída no final do ano passado, mostrou que 86% dos consumidores conectados fizeram pelo menos uma compra pela internet entre junho de 2018 e junho de 2019. 

O estudo mostrou, ainda, que um terço desses consumidores adquiriu algum produto ou serviço por meio de redes sociais, como Facebook, Instagram, Youtube e WhatsApp. Sem esses dados importantes, a ação de marketing voltada para a conquista de uma fatia do mercado fica sem direção.

O cenário pode, até, apresentar aquela oportunidade de aprimorar a forma como os ativos essenciais ao funcionamento e à perenidade do negócio são mantidos. 

Cogita adotar novas tecnologias e ferramentas de apoio. O mundo virtual está aí para isso.

Num cenário de contração econômica, usar as redes sociais é grande aliada. De repente, descobrirá formas de maximizar a produtividade, direcionando os recursos de forma mais lógica, extraindo todo o seu potencial do ciberespaço.  

Portanto, você que tem um tipo de negócio, não chegou a hora de aproveitar a maré e buscar novos horizontes?