Integração de dados públicos com inteligência ajuda nos negócios neste período de pandemia

Por Roberto Marcio

O lançamento do Governo Digital pelo Brasil, no ano passado, traz uma boa oportunidade para a criação de estratégias eficientes de business intelligence (BI) por parte de empresas que, a partir de dados estatais fornecidos, podem gerar incremento de negócios. 

O acesso a informações cruciais de como a máquina estatal lida com as adversidades econômicas, geradas pela pandemia, joga uma luz no trabalho das empresas que precisam cada vez mais de elementos para a tomada de decisão.

O também conhecido Governo eletrônico (e-gov) foi sancionado em abril deste ano com o objetivo de ampliar o uso das tecnologias da informação para aproximar governo e cidadãos. Além de simplificar a relação entre diferentes setores do estado, o Governo Digital proporciona uma economia significativa aos cofres do governo. 

No Portal da Transparência encontramos dados e informações importantes, possibilitando integrá-los com aquilo que o empresário necessita para a montagem de uma boa estratégia de negócios.

No entanto, já foi registrado por parte dos usuários de empresas de marketing e inteligência competitiva que alguns dados seguem incompletos.

O recente caso que chamou a atenção foi com relação a divulgação dos números de infectados e mortos por parte do Governo Federal. Ao não revelar esses dados, houve um protesto que repercutiu até a Organização Mundial da Saúde (OMS), acusando o Brasil em não compartilhar informações críticas sobre o esforço global de contenção da pandemia. 

Embora há problemas, parece que o Governo Federal atua no sentido de criar tecnologias que sejam mais acessíveis ao público em geral. 

Na parte do planejamento, o acesso aos dados públicos podem ajudar a manejar melhor formas de prospecção, estimativas e entender as causas para eventuais crises. 

Ao se colocar como um parceiro que fornece dados relevantes para as empresas, o Portal da Transparência torna possível fazermos um cruzamento a análise de dados públicos com aquilo que apuramos internamente em nosso plano de negócio.

Business Intelligence (BI) pode se tornar uma ferramenta de primeira hora.

Num clima de pandemia em que vive o mundo, em especial o Brasil – um dos mais castigados pela Covid-19, ter dados confiáveis em mãos e trabalhá-los da melhor forma possível são objetivos perseguidos pelos analistas.

Segundo a Trinity Relationship Strategy, consultoria financeira, é possível gerar mais conhecimento para a empresa, aumentar a percepção para a previsibilidade e insights valiosos para as escolhas diárias e aumentar a rentabilidade dos negócios. Para quem atua na área da inteligência corporativa, será um aliado de primeira linha. 

A estratégia é também extremamente benéfica, pois agrega maior facilidade e velocidade na coleta e no estudo. Sendo assim, os dados públicos que abastecem um software de BI podem dar uma real situação para que seu negócio avance ou a criação de estudos que municiem uma melhor tomada de decisão.

Certamente, ter um aliado de primeira hora como as ferramentas adequadas de BI, nesta primeira etapa, é desejável.

E quando essa relação entre banco de dados e iniciativa privada se dá o contrário?

Estamos abordando nesse artigo o quão valiosos são os dados fornecidos pelo Governo Federal para ajudar nos negócios. Informação é poder. Por isso, a relação entre as partes pode se dar de forma contrária.

Uma plataforma com dados atualizados da evolução de casos da Covid-19 no país pode ser utilizada pelas prefeituras para que atualizem diariamente em seus próprios sites as informações sobre a doença no município. 

Na ferramenta disponibilizada gratuitamente pela Conam – Consultoria em Administração Municipal, basta apenas copiar o URL referente ao município e criar um link de acesso no próprio site.

As informações são extraídas do site do Ministério da Saúde, assim que publicadas no site oficial do governo, e os dados na plataforma estão compilados por estado, município ou microrregião. 

No interior do Rio, foi anunciado nesta semana que, em Petrópolis, o processo de implementação do Sistema Integrado de Gestão Administrativa (SIGA) teve sua primeira fase concluída, após a assinatura do contrato no início do mês de março deste ano. 

A ferramenta permitirá ao governo otimizar os trâmites processuais, reduzir custos na compra de materiais de consumo e agilizar a troca de informações entre as secretarias e órgãos do governo.