Inovar no mundo pós-Covid ? Como usar a inteligência de mercado como modelo e impulsionar os negócios

Por Roberto Marcio

Enquanto caminhamos para um novo mundo pós-pandêmico, com novas formas de relacionamento proporcionadas pela tecnologia, o contato humano não será substituído. A tecnologia está nos mostrando que é uma excelente alternativa neste contexto e que pode nos ajudar a construir novas formas de trabalho, por isso nunca esteve tão em alta a atuação dos profissionais de marketing digital no sentido de inovar para ajudar os empresários a se recuperarem do tombo dado pela pandemia. E dentro do campo da inovação, a inteligência de mercado pode ser explorada sem limites.

Para Maximiliano Cortés, Chief Operation Officer da Parabolt, uma divisão da Globant dedicada à inovação e desenvolvimento de software, A inovação por si só é uma fortaleza e multiplica seu valor quando feita de forma constante. Muitas empresas perceberam neste período de pandemia que, caso tivessem processos contínuos de inovação, estariam melhores preparadas para enfrentar a crise atual. A busca por alternativas para tornar a empresa mais competitiva atualmente e prepará-la para o mundo pós-pandêmico requer instrumentos próprios para vencer. A inteligência de mercado, por exemplo, proporciona soluções práticas para resolver problemas entre as corporações e seus clientes, tudo isso requer, muitas vezes, o uso intenso da criatividade.

Enquanto caminhamos para um novo mundo pós-pandêmico, com novas formas de relacionamento proporcionadas pela tecnologia, o contato humano não será substituído. A tecnologia está nos mostrando que é uma excelente alternativa neste contexto e que pode nos ajudar a construir novas formas de trabalho, além de impulsionar soluções inteligentes para os negócios. Mesmo que possua dados confiáveis, é preciso tratá-los adequadamente e neste caso é fundamental ter o olho humano, a sua sensibilidade, conhecimento da matéria para trazer as soluções para garantir boas vendas, já imaginando um cenário futuro quando a pandemia do Covid-19 chegar ao seu fim. Ou seja, o novo normal é um mundo onde a inovação precisa ser sustentável, sempre com um propósito que constitua o meio para impulsionar as empresas para a prosperidade, com um compromisso solidário e com a qualidade de vida das suas comunidades, com um viés do futuro. 

Como, então, trabalhar os dados e ter um olhar humano?  Eles são fundamentais para acertar na comunicação com seu público, assim, entender qual é sua persona e conseguir conectar bem com a mensagem que deseja passar. Segundo pesquisas, foi observado um aumento entre 10% a 20% de ROI em empresas que implementaram o data driven marketing. Isso porque apenas 2% das empresas se orientam por dados no Brasil.

As informações relevantes ajudam a descobrir novas oportunidades dentro e fora do setor de atuação do seu negócio. A partir daí, realizar a análise e tradução do comportamento dos consumidores para compreender qual a melhor maneira de sensibilizar o seu público, focando em dados e tendências do mercado. Por meio dessas ferramentas, é possível ter um direcionamento da estratégia de comunicação da sua marca, focando em conteúdos e ações ainda mais relevantes. Tudo isso, é claro, com o uso da inovação humana para trazer os resultados assertivos para a sua empresa, com o viés da inteligência de mercado.

De acordo com um estudo da consultoria McKinsey, mais de 800 milhões de trabalhadores serão substituídos por robôs. Sabemos que a tecnologia trará a automação para muitos processos que hoje exigem a mão de obra humana, porém não há software e programa que substitua habilidades essencialmente humanas, por isso a inteligência pode contar com o olhar humano da tecnologia, na busca por soluções para as empresas nos tempos atuais. A hora para vencer é essa e não dá mais para abrir mão dos recursos tecnológicos mais dos aspectos humanos como fatores primordiais para vencer no século 21. 

Saiba mais:
https://blog.gs1br.org/inteligencia-competitiva-e-inteigencia-de-mercado-quais-sao-as-diferencas/,
https://blog.gs1br.org/inteligencia-competitiva-e-inteligencia-de-mercado-quais-sao-as-diferencas/,