Cenário fortalece o varejo e favorece ainda mais o marketing digital

Por Roberto Marcio

Com a chegada de um ano de disrupção imprevista, o cenário do marketing digital foi alterado para sempre. De acordo com uma pesquisa realizada pela Nuvemshop, mais de 10 milhões de brasileiros resolveram comprar pela primeira vez na internet durante a quarentena. Assim, a pandemia da Covid-19 acelerou diversos processos, dentre eles a visibilidade da área de tecnologia e isso impulsionou o mundo do varejo e dinamizou o e-commerce, fazendo surgir novos negócios na rede. Para provar isso, dados fornecidos pela Receita Federal, em março de 2021, o número de CNPJs abertos relacionados à área passou de 10 mil em um único mês. Este resultado nunca havia sido visto antes neste segmento, demonstrando que a atualidade exige campanhas das marcas cada vez mais criativas para vender mais. 

Se antes da pandemia era crescente o uso de móbiles digitais, com ela fez explodir ações que estavam à palma da mão dos consumidores. A adoção de smartphones e uma infraestrutura de pagamentos digitais em rápido desenvolvimento colocam o Brasil em destaque em relação a economias de países mais desenvolvidos, principalmente quanto à forma e preferência dos consumidores para realizar suas pesquisas de preço e compras. E, como esperado, o marketing digital evoluiu gradativamente oferecendo soluções que contribuíram para a expansão dos negócios na rede. 

Previsões do eMarketer indicam que o total de gastos em publicidade para mídia deve ultrapassar bem o valor de 600 bilhões de dólares em 2021, evidenciando o papel crítico da efetividade da mídia para os profissionais de marketing. Outra pesquisa confirma o crescimento. O efeito parece ser em cascata, pois ela acompanha a subida do e-commerce desde março de 2020 – no início da pandemia – até os dias de hoje.

De acordo com dados da sétima edição do relatório Neotrust, principal fonte sobre o e-commerce brasileiro, nos três primeiros meses deste ano o número de compras online cresceram 57,4% no comparativo com o mesmo período de 2020. Como todo mercado em crescimento, a inovação – que inclui o marketing digital e sua contribuição – se torna fundamental para a sobrevivência. No entanto, para este meio muitos comportamentos ainda são um tabu, como por exemplo mudar direcionamentos de algo que está dando certo.

Retomada com loja física não afeta o varejo digital: o uso do SEO como a ponta de lança do marketing digital 

A expectativa quanto a retomada econômica requer muita criatividade do marketing digital em ações de campanha para os clientes. Ter todos os recursos de mensuração de métricas, estudos de comportamento do público internautas e muitas outras com a adoção da Inteligência Artificial são primordiais para o sucesso no e-commerce.

As coisas evoluíram numa velocidade nunca antes vista. A tecnologia acelerou a transformação em todo o mundo. O fato é que estar presente no mundo digital é uma obrigação. Mas ter um site ou uma conta em uma rede social não é mais o suficiente. As empresas precisam saber como serem vistas e encontradas pelos seus clientes, sejam eles outras empresas ou consumidores finais. Por isso, conseguir se posicionar no Google e ter uma estratégia SEO eficiente é bastante importante.

Dito isso, um estudo feito pela Neil Patel — especialista mundial em marketing digital, fez um ranking das 100 melhores empresas brasileiras nesse aspecto. A plataforma líder em venda online de passagens rodoviárias, Clickbus, foi a primeira colocada no ranking com foco em experiência na página, desbancando outras grandes marcas como Nubank, Tim e Ambev.

O quanto essa tecnologia já é empregada e seus resultados nos balanços? Dá para mensurar isso? A verdade é que a retomada do comércio varejista, ainda que o país esteja em pandemia, fez com que as vendas alcançaram 1,8% de março para abril, de acordo com a pesquisa mensal do comércio (PMC), divulgada recentemente. 

Dessa forma, é possível levar também as estratégias de CRM para a loja física, além de integrar os dados dos clientes deixados no e-commerce. E a peça fundamental para contribuir com o sucesso e a retomada das vendas nas lojas físicas são os vendedores, que podem ter tudo isso na palma das mãos e ainda conseguem captar e conquistar a confiança dos usuários. 

Segundo o Índice de Transformação Digital da Dell Technologies 2020 (DT Index 2020), cerca de 87,5% das empresas instaladas no Brasil realizaram alguma iniciativa voltada à transformação digital no ano passado.

Sendo assim, com o processo de digitalização, que se fortaleceu ainda mais com a pandemia, as empresas tiveram que se adaptar e fazer diversas mudanças para melhorar a experiência do cliente, como por exemplo criar um site para e-commerce fácil de usar e organizar entregas em casa.

Muito se fala sobre cultura de dados, mas a importância desse investimento para as empresas ainda não é tão tangível em muitos casos. Por meio de um mapeamento de dados corretos, uma marca identifica onde investir para obter bons resultados. E como isso é possível? A inteligência artificial é uma das melhores apostas para conseguir organizar, categorizar e analisar todo esse volume de informações.

E o marketing digital está aí para acompanhar o crescimento econômico através de sua ajuda às empresas. O varejo agradece, bem como o e-commerce que é o segmento econômico que mais cresce no país. 

Saiba mais: https://www.consumidormoderno.com.br/2021/05/19/e-commerce-trade-marketing-digital/https://mobilidadesampa.com.br/2021/03/e-commerce-e-marketing-digital-qual-e-a-relacao-entre-eles/

%d blogueiros gostam disto: