O papel da tecnologia na economia circular

Por Roberta Muller

A gente aprende, desde criança, que tudo tem um início, meio e fim. Esse é o ciclo da vida. Mas não dá para pensar mais assim. As mudanças climáticas, o aquecimento global, e tudo que tem efeito potencial para a humanidade mostraram que é preciso pensar diferente para um mundo mais sustentável. 

E não é de hoje que as empresas perceberam isso e estão investindo em uma economia circular como forma de reduzir as emissões poluentes e o desperdício de recursos para desacelerar as mudanças climáticas. 

Mais do que uma tendência, a economia circular é uma necessidade. Entender que tudo que jogamos fora precisa ser reinventado para ganhar nova vida é o conceito dessa prática. Uma maneira de restabelecer a vida útil de tudo o que é produzido. O objetivo é gerar uma gestão mais eficiente dos recursos naturais, mantendo o mais alto nível de utilidade e valor o tempo todo, dentro de um escopo econômico de desenvolvimento sustentável.

E onde a tecnologia entra nessa história? Na verdade, ela é fundamental para fazer com que os processos desse modelo econômico sejam possíveis e eficientes. Já que é preciso aliar o conceito às ideias rentáveis. Além disso, é possível criar uma cultura de economia circular até nos próprios processos tecnológicos.

Antes de falar sobre isso, primeiro você precisa entender o que é exatamente a economia circular.

Você sabe que conceito é esse de Economia Circular?

(188) Economia Circular – YouTube

Pense em resíduos de uma indústria servindo de matéria-prima reciclada para desenvolver outros produtos em outra indústria ou nela mesma. Mantendo, assim, os materiais em um ciclo produtivo. Basicamente, esse é o conceito da economia circular, que vem para contrapor a economia linear. 

É uma forma de desenhar, produzir e comercializar seus produtos garantindo a recuperação inteligente dos recursos naturais. Ou seja, tanto o produto quanto o ciclo de produção possibilitam uma melhor sustentabilidade. Isso inclui aumento da eficiência tanto em relação aos custos quanto ao impacto no meio ambiente.

Então, a economia circular é um conceito econômico, que, através de diversas práticas e estratégias, tenta aproveitar ao máximo a vida útil de tudo que é produzido, o que traz benefícios ainda para o mercado de trabalho e a sociedade.

Isso acontece por meio de novos modelos de negócios e da otimização nos processos de fabricação tendo em mente o menor uso de matéria-prima virgem. 

Esse conceito surgiu para que os materiais sejam descartados corretamente e no seu “fim de vida” ser reintroduzido na cadeia produtiva através da melhora na gestão de resíduos em diversos setores. Ele desacopla da atividade econômica, gradualmente, o consumo de recursos finitos. 

E a economia circular funciona e é eficaz em todas as escalas, não só para grandes empresas, como também para os pequenos negócios, para organizações e indivíduos, global e localmente.

  • Mas qual a diferença desse conceito para a reciclagem da qual já estamos cansados de ouvir?

Na verdade, a reciclagem é apenas uma vertente da economia circular. O modelo circular constrói capital econômico, natural e social. Ele engloba desde o redesenho de processos, produtos e modelos de negócios, até a otimização da utilização dos recursos. O conceito é amplo, contando com outros pilares além da reciclagem, como reuso, reutilização, restauração, ressignificação, etc. Além disso, podemos destacar três principais caracteristicas da economia circular:

  • • Minimização da extração de recursos;
  • • Maximização da reutilização;
  • • Aumento da eficiência no desenvolvimento de processos e no uso de produtos.

Empresas e negócios já perceberam a importância da economia circular

Não é de hoje que o conceito de economia circular vem ganhando cada vez mais espaço dentro das empresas. Aqui no Brasil, por exemplo, a maioria delas já adota pelo menos uma prática relacionada ao conceito. 

Segundo o estudo de 2019 da Confederação Nacional das Indústrias, 76,5% delas desenvolvem alguma iniciativa da economia circular. Entre as práticas mais comuns estão a reciclagem e a reutilização da água. Além disso, 56,6% delas otimizam processos com o objetivo de reduzir o desperdício de materiais, e 37,1% responderam que reutilizam insumos provenientes de reparos.

Vale lembrar que muitas delas também trocam resíduos com outras indústrias. Essa prática já é realidade em 24,1% das indústrias entrevistadas.

Essas mudanças vieram, também, de um apelo da própria sociedade. O mesmo levantamento mostrou que 38% das pessoas entrevistadas verificam se os produtos foram produzidos de forma ambientalmente correta. E elas também têm mais preocupação com o lixo que produzem. 

É por isso que, para muitas empresas, este é o melhor momento para investir em ações sustentáveis, mesmo com a pandemia do coronavírus. Em especial as empresas de capital aberto, o interesse das grandes nacionais cresceu nos últimos tempos. Elas têm uma meta ambiental para cumprir. 

A tecnologia como ferramenta para implantar o conceito de economia circular

A gente já viu que na economia circular, então, a atividade econômica constrói e reconstrói a saúde geral do sistema.

Mas alcançar isso não é tão simples. É preciso a otimização adequada dos diferentes processos na gestão de resíduos, aumentar sua eficiência e sua competitividade, além de alcançar melhorias no reaproveitamento, reparo, na remanufatura, etc.

Só que primeiro de tudo é preciso mudar o mindset das pessoas com algo que é feito da mesma forma há anos. Então a conscientização social vem no topo da lista de tarefas para iniciar a economia circular. Inclusive é preciso mudar a mentalidade das grandes empresas. Além disso, é preciso cumprir os objetivos propostos, já que desde a concepção da ideia até a execução é um caminho longo a ser percorrido.

E para tudo isso, por que não usar a tecnologia como ferramenta aliada nesse processo?

Inteligência artificial, blockchain, internet das coisas, big data, segurança cibernética, entre outras tecnologias podem ser utilizadas.

Os avanços tecnológicos estão aí para trazer inovações que auxiliem a tornar a cultura de economia circular possível, com procedimentos para otimizar e baratear esse processo.

São as tecnologias que vão possibilitar essa mudança de paradigma, já que elas fornecem as ferramentas necessárias capazes de reduzir os custos, automatizar as tarefas e gerar valor econômico. A transformação digital permite o uso mais inteligente dos recursos.

Além disso, as tecnologias digitais também podem estimular uma cultura de consumo mais sustentável. Você pode usar o seu celular, por exemplo, para ler o “passaporte digital” de um produto que está comprando, e verificar os materiais e recursos que foram usados na fabricação dele. Além disso, ainda pode obter informações sobre a sua reutilização. 

Há também a possibilidade de instalação de sensores em determinados produtos, pelos quais você consegue acompanhar a vida útil dele. 

De acordo com o relatório “Creating a digital roadmap for a circular economy“, as tecnologias serão capazes de “melhorar as conexões e a troca de informações; tornar produtos, processos e serviços mais circulares; e influenciar e capacitar cidadãos/consumidores”.

Alguns exemplos de tecnologia aplicada ao conceito de economia circular são relacionados à inteligência das coisas, com contêineres inteligentes e classificação robótica, trabalhando em conjunto com ferramentas de análise e softwares de otimização. Podemos citar também a integração de modelos de crowdsourcing, que poderá fomentar uma demanda maior por Big Data, fundamental para a análise massiva de informações.

É possível citar também a experiência do consumidor, que exerce o seu poder por meio de escolhas sustentáveis para impulsionar mudanças em seu próprio benefício e do meio ambiente.

  • E falando apenas de projetos de tecnologia, como esse conceito se aplica?

O processo para aplicar o conceito de economia circular nos projetos de tecnologia é basicamente o mesmo de qualquer outro produto. É preciso esquecer a ideia linear e aplicar a circularidade, com: criação, entrega, preservação, gerenciamento e reutilização. 

Com a economia circular em mente, esses conceitos devem ser levados também para projetos, programas e aplicativos desenvolvidos. 

Isso impacta nos custos de criação de materiais digitais porque eliminam, por exemplo, esforços duplicados ou materiais criados e nunca utilizados. 

Além do reaproveitamento dos bens físicos, como computadores, HDs, smartphones, etc, estamos falando também sobre uma cultura de reaproveitamento que incentiva os profissionais da área a ter contato com outros projetos e arquivos, para que sejam estimulados à inovação.

Para isso, reorganize os processos e mude a filosofia de sua empresa. Mude o mindset dos colaboradores para que valorizem o reaproveitamento, promovam a comunicação e a integração entre as equipes. Reaproveite os recursos utilizados. 

Hoje, é fundamental que sua empresa invista em soluções de inteligência de dados para otimizar e transformar seu negócio para uma cultura de economia circular. 

A Info4 oferece a união de diversas fontes de informação para que sejam transformadas em um conjunto de dados estruturados, que facilitam a análise, economizam tempo e potencializam o resultado do seu negócio. 

%d blogueiros gostam disto: